Os bastidores do futebol: esporte faz a vida de brasileiros na África do Sul

Brasileiros na África do Sul estão sendo recebidos quase com um abraço. Não importa quem sejam os jogadores da nossa Seleção, ela é vista como a favorita e tornou-se, para muitos, o segundo ou mesmo o primeiro time do coração.
Brasileiros na África do Sul estão sendo recebidos quase com um abraço. Não importa quem sejam os jogadores da nossa Seleção, ela é vista como a favorita e tornou-se, para muitos, o segundo ou mesmo o primeiro time do coração. Em muitas casas e carros as bandeiras da África do Sul e do Brasil estão lado a lado.

Além de atrair a simpatia de outros povos, o futebol brasileiro pode virar o meio de vida para alguns profissionais do esporte. Este foi o caso de Japhet Borges, que saiu de Caruaru, em Pernambuco, para se tornar o preparador físico de alguns times internacionais.

Japhet e sua família já moraram no Japão e atualmente vivem em Joanesburgo, na África da Sul, trabalhando para o Moroka Swallows, time da primeira divisão do futebol sul-africano. Japhet se diz completamente adaptado ao novo país. Comparando-o como um “Brasil de organização europeia”. O preparador disse que veio para ficar um ano, mas já renovou o contrato por mais um, e diz que desejaria ficar mais, visitando o Brasil duas vezes por ano, para matar a saudade de familiares em Pernambuco.

O preparador físico, sua esposa Regiane e sua filha Jéssica vivem em Kensington, um bairro classe média alta de Joanesburgo, em um apartamento com um aluguel de U$ 2000 (dólares), custeado pelo clube.

Algumas vantagens para os brasileiros que moram na África do Sul podem ser o clima, que somente no inverno tem as temperaturas próximas a zero grau, o câmbio, que nos é favorável, R$ 1 = aproximadamente R 4 (rand), com o custo de vida bem próximo à realidade brasileira e inflação quase nula, bem como o “calor humano”, que muitos brasileiros reclamam não encontrar em outras terras.

Até mesmo para quem não fala inglês, um dos 11 idiomas oficias da África do Sul, a comunidade lusitana no país é considerável. A maioria dos falantes da língua portuguesa aqui são angolanos e moçambicanos que vieram, geralmente, em busca de melhores condições de vida do que em seus países de origem.

Mas um outro exemplo de quem também fez a vida com o futebol na África do Sul foi do português Zeca Marques, auxiliar técnico do Moroka Swallows e comentarista no canal “Super Sport”da TV fechada. Sua esposa, Linda Marques, também lusitana, trabalha na África do Sul como empresária no ramo de turismo, e ambos estão completamente adaptados ao país que os ofereceu ótimas condições de vida.

Segundo Japhet Borges e Zeca Marques, falta mão de onbra qualificada na África do Sul. Para quem quiser tentar a vida no país da Copa, ao menos verá que a palavra Brasil pode abrir muitas portas, ou pelo menos, vários sorrisos.

Sobre jornaldesabado

Ana Monteiro Correspondente na África do Sul http://jornaldesabado.com.br
Esse post foi publicado em sport e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s